Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

A karateca Angélica Gama fala do esporte, dedicação e suas conquistas mundiais

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

A karateca Angélica Gama fala do esporte, dedicação e suas conquistas mundiais
Angélica Gama, Karateca. Meu nome é Angélica Gama, tenho 21 anos, sou lutadora de Karatê e faço faculdade de educação física. Comecei a lutar, eu tinha 8 anos. Foi um pouco complicado porque foi contra, meus pais não queriam. Principalmente o meu pai porque… aquela questão de masculinização da mulher, porque você vai ficar masculina, então ele não gostava. Quando eu fui campeã brasileira, eu acho que ele começou a se empolgar. Ele e a minha família e aí eles liberaram, não proibiram mais.

Eu tenho 5 títulos brasileiros, sou campeã panamericana, fui vice-campeã panamericana também, fiquei em 5º lugar no mundial universitário em 2000 no Japão e tenho 13 títulos aqui no Distrito Federal. Minha meta é o Campeonato Mundial Universitário, que vai ser realizado agora em agosto no México. Pra esse campeonato, estou apostando todas as minhas fichas. Eu treino com o Sensei Marley Mendonça cerca de 5 horas por dia, treino musculação, tem toda uma equipe de preparação física, preparação psicológica. Então acho que todo o meu objetivo, todos os meus esforços estão todos indo pro mundial.

O atleta tem que ser muito disciplinado. Vamos supor, se eu for pra uma boate, se eu for pra uma festa e chegar 4, 5 horas da manhã, eu perco o dia inteiro porque isso atrapalha todo o meu rendimento, atrapalha o treino do outro dia. É uma escolha mesmo que eu fiz. Essa parte social da minha vida é meio apagada.

O mais emocionante, acho que uma das maiores emoções que eu já tive na minha vida é quando você vai representar o Brasil, você é campeã panamericana, você sobe no pódio, você escuta o hino nacional, você vê a bandeira. Isso realmente é uma emoção indiscutível. É muito prazer que você sente, é muito bom. De vez em quando você fica meio desestimulado pela falta de patrocínio, por você correr atrás. Os empresários em geral… é muito complicado a gente conseguir patrocínio.

Março de 2002