Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

As obras de Henrique Gougon e outros artistas nas paradas de ônibus de Brasília parte 1

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Eduardo Chauvet: Nós estamos aqui na W3 sul, mais exatamente na parada de ônibus da 711. Aqui ao meu lado o Henrique Gougon, artista plástico que tem um trabalho realmente muito interessante, quer dizer, levar a arte pras ruas, saindo das galerias, saindo dos ateliês e fazendo essa intervenção pública.

Henrique: Aqui é uma cidade diferente, né? Não temos muros, não temos encostas, não temos túneis. E havia aqui nos pontos de ônibus alguns totens, uns prismas onde anteriormente havia a trajetória dos ônibus de Brasília. Isso estava abandonado há uns 15 ou 20 anos. Então nós resolvemos como suporte aproveitar e colocar poesias de autores brasilienses. Estamos fazendo quase uma antologia poética de Brasília ao longo de todos esses pontos. Embelezando a cidade, né? A arte deve estar onde o povo está. E o povo está exatamente aqui, nos pontos de ônibus, nos ônibus que descem aqui. Você pode ver a cabeça das pessoas esticando pra ler a poesia toda vez que para aqui.

Todo mundo acha que isso aqui melhorou muito, que está muito mais interessante, que está mais bonito, está mais agradável de ver. Onde antes era só papel sujo colados nesses totens sem função, agora você tem poesia. Eles param pra ver, param pra ler. Então é outro clima que você tem aí nesses espaços. Muito mais bonito. O grupo tem um nome coletivo, Loucos de Pedra. Mas não usamos só pedra. Cada um traz a sua linguagem. Alguns companheiros nossos trabalham com cerâmica, outros com porcelana, outros com pastilhas, eu trabalho com pedra. Então todo esse material é que a gente agrega pra fazer esses painéis. Então painel misto de muito material e ele é agregado com massa plástica e com uma armação de ferro e chumbado aí nesse prisma que tem nos pontos de ônibus da W3 sul e da W3 norte.

Eduardo: Mas você precisa de uma variedade de pedras muito grande?

Henrique: De todas as cores que você me perguntar, a gente tem. É da natureza, essas pedras são da natureza, mármores e granitos da própria natureza.

Agosto de 2005