Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Basquete para cadeirantes como inclusão em escola pública do DF

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Eduardo Chauvet: Estamos no Ginásio de Esportes de Sobradinho II. Aqui com a gente a Iara, diretora do Centro de Ensino Fundamental 1, de Sobradinho. Os alunos vieram de lá pra cá. É um dia de consciência no que diz respeito às pessoas com necessidades especiais e num dia onde a gente se depara com coragem, o desafio de jogar basquete em cima da cadeira de rodas.

Iara: Nós, como escola, também estamos aprendendo a superar esses desafios que as pessoas com deficiência tem que enfrentar. Existe um amadurecimento e um respeito que é desenvolvido nessa geração que é bem interessante.

Foi uma alegria total
Gostou da ideia, já tinha imaginado um jogo de basquete para cadeirantes?
Não, é a primeira vez que eu vejo. Achei muito interessante porque mostra que as pessoas não tem limites e se elas quiserem ser felizes elas conseguem, não importa a dificuldade que elas possuam.

É um trabalho que vem sendo realizado durante alguns meses. Essa é apenas a culminância do trabalho. Os alunos já estavam ansiosos por esse evento pra conhecer de perto aquilo tudo que eles haviam conhecido através de palestras e da fala dos professores em sala de aula. É fundamental que a sociedade desenvolva ações como essa pra que possa ter contato com portadores de necessidades especiais, que possam entender e não discriminem.

Então o basquete está sendo uma forma legal de integrar, desenvolver fisicamente a pessoa com deficiência. O esporte é a melhor forma que se tem, não só o desenvolvimento físico e intelectual mas também essa inclusão social que é fundamental. Só pra dar um exemplo pra você: nós temos lá o Alan, um cara de periferia de Planaltina, foi acidentado. Hoje foi competir em Paris na seleção de basquete em cadeira de rodas. A garotada gosta, vem, quer andar na cadeira de rodas, pede autógrafo. Mostra a importância das pessoas que não são deficientes para aquelas pessoas que são deficientes. Isso é fenomenal.

“São capazes, podem jogar basquete, podem praticar esportes e, principalmente, o direito de ir e vir com liberdade.”

Exatamente. Ir e vir com liberdade. Você disse tudo.

Dezembro de 2010