Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Brasília Fest Rock 2000 com Capital Inicial

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Fê Lemos, Capital Inicial: Eu vi esses caras tocando no CA da Arquitetura, tocavam dentro da UnB, no minhocão. Eles tinham que descolar grana, “vamos fazer festa”, aí eu me lembro do show do Aborto, do Blitz e foi um sucesso. Aí os caras falaram “os punks atraem público”. Aí, todo fim de semana eles montavam palco, colocavam equipamento fuleiro mas para nós era uma maravilha. E a gente ficava a noite inteira tocando e eles vendendo cerveja e cachaça.

É impressionante porque você pensa…. Nós estamos no ano 2000, né? O primeiro show do Aborto Elétrico foi em janeiro de 1980, 20 anos atrás, no Gilberto Salomão, na calçada, para quem estivesse passando. A gente nem imaginava que alguma coisa desse nível fosse acontecer. E a gente chega aqui em Brasília e vê um festival montado que não deixa nada a dever a qualquer festival no Rio ou em São Paulo. Você vê justamente isso. Na época dos anos 80, como o rock era uma novidade, era mais fácil para quem tivesse uma banda conseguir um espaço, jogar uma demo em uma rádio, fazer um show numa casa noturna. Estava todo mundo atrás, querendo saber, descobrir. Hoje se tornou mais difícil embora existam muito mais pessoas a fim de ouvir rock e pessoas produzindo show de rock, paradoxalmente é mais difícil de uma banda conseguir um espaço de peso onde ela possa ser ouvida e ser vista.

Simplificando, é que nem aquela história da fórmula 1. Existiam os anos românticos, os anos 60 e 70. Depois a fórmula 1 era tecnológica, onde o dinheiro é que realmente determina o resultado. Eu acho que nos anos 80 foi a primeira geração do rock brasileiro que teve massa, mídia massiva, mídia nacional. Antes existia rock no Brasil, mas era um rock de gueto, era um rock para poucas pessoas. Só os roqueiros que gostavam mesmo. E roqueiro era uma coisa que parecia até que eram doentes. Hoje o rock está na vida das pessoas, principalmente na vida da garotada.”

Maio de 2000