Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Bsb Disco Club, uma ode à Disco Music

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Tina Vieira: Eu hoje tirei a minha plataforma e minha calça boca de sino do fundo do baú pra levar vocês pra uma viagem no tempo. Então pode ir abrindo as suas asas, soltando as suas feras porque a partir de agora, o Programa Alternativo vai levar você pra cair na gandaia com BSB Disco Club. Vamos lá?

“Coloca uma coisa bem discreta, florzinhas, uma frente única divina…”
“O detalhe para a sandália confeccionada por mim…”
“Isso aqui ela usa durante o “I am what I am”
“Peitos postiços, perucas…”
“É muito legal porque essa troca de roupa, essa adrenalina é legal pra caramba. ”

Tina: O brilho é fundamental pra vocês né, as divas?

“Acho que é a marca da época, da produção tanto de maquiagem quanto roupa. Você pode observar que a gente está super básica. ”
“A gente mandou fazer coisas bem inspiradas nos anos 70. Estampa, brilho, barriguinha à mostra, calça boca de sino, rabo de cavalo…”
“Porque a gente vê algumas bandas que não tem preocupação com o visual. Eu vi nos rios algumas bandas que fazem o que a gente faz e, modéstia à parte, nosso figurino tem uma preocupação”
“Os meninos também são lindos. Eles colocam roupa boca de sino também, é o maior barato”

“A música disco ela já levanta as pessoas para dançar. Não tem condição de ficar parado. E a banda toda tudo isso com muita energia, com muito gás, muita sinceridade. A gente gosta de tocar isso, se amarra um no outro, é um clima de brodagem super legal e aí o resultado é o povo dançando o tempo todo.”

“É legal porque a gente incorpora um pouco do ritmo ou do espírito da época. A gente não pode viver e tenta reproduzir, seja tocando com os mínimos detalhes e também se vestindo com os mínimos detalhes”

Tina: E a responsabilidade de tocar música que foi sucesso com outras pessoas?

“Bom, a gente tem que tocar direitinho. Tem que tocar a música como ela é. Buscar aquela originalidade dela, mas a gente tem que colocar o nosso tempero.”

Tina: O Gustavo é o pai da banda, o pai dessa ideia de tocar música disco hoje, onde todo mundo só ouve música eletrônica. Conta pra gente como é que surgiu a ideia de montar uma banda de música dos anos 70 aqui em Brasília.

Gustavo: Surgiu despretensiosamente. Basicamente, há 10 anos eu tinha uma banda de som dançante em Brasília, autoral e tocava essas músicas. Eu me uni ao vocalista desse grupo e resolvemos fazer esse trabalho despretensiosamente mas que já vem durando quatro anos e tem crescido a cada ano. A cada ano a gente inventa novidades, novos shows, novo repertório, figurino. A gente se diverte muito fazendo isso, a gente só quer saber de se divertir aqui.”

Maio de 2000