Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Celeste e Estrela, um filme de Betse de Paula

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Celeste e Estrela é uma história de amor ambientada no cinema. Um triângulo amoroso entre duas pessoas, a Celeste Espírito Santo, que é uma cineasta iniciante e o Paulo Estrela, um crítico de cinema que deu um parecer negativo do filme dela. E o cinema né. O terceiro vértice desse triângulo é o cinema. Foi feito em Brasília, filmado em Brasília, editado em Brasília, terminado em Brasília.

É um filme com a Dira Paes, o Fabio Nassar e a Ana Paula Arósio e todo o resto do elenco é de Brasília. O público do Brasil está acostumado a ver Brasília com um jornalista na frente dando uma notícia nem sempre muito agradável. Então você ver Brasília a partir de gente que mora nela, com uma vida própria, a Brasília dos cobogós, da igrejinha, do Marietta Café, o Cine Brasília, os lugarezinhos de Brasília, é outra coisa. Então acho que tem esse diferencial que é bacana de explorar.

Fazer filmes sobre o cinema não é uma coisa original, não fui eu quem inventei. Muita gente faz a metalinguagem e isso é uma coisa legal. O Celeste e Estrela é uma história de amor, mais do que uma história de cinema, é uma história de amor. É uma história que pessoas que não fazem cinema se identificam, compreendem aquela história de amor. É o plot daquele cara que se apaixona pela mulher maluca. A mulher maluca no caso é uma cineasta. E ela tem um propósito que é fazer o filme dela.

A Celeste com certeza tem um ponto autobiográfico, mas autobiográfico também de uma geração, de todo mundo que está tentando fazer cinema agora, que está tentando fazer cinema no Brasil. É autobiográfico na luta dela de fazer cinema. A história de amor é inventada.

É uma comédia divertida, ganhou prêmio do júri popular em Recife. É um filme divertido, legal, alegre. A gente vai ver Brasília, vai ver um monte de gente “ué, esse cara é ator? ”. É ator e é um bom ator.”

Setembro de 2005