Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Cidade de Deus com Fernando Meirelles

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“São dois garotos. Um quer ser fotógrafo e o outro quer ser um bandidão. O Cidade de Deus é um filme que é uma adaptação do romance do Paulo Lins – Cidade de Deus – um livro de 600 páginas com 300 personagens. Comecei a ler o livro e fui ficando muito impressionado. Fui me envolvendo porque o Paulo Lins, ele é um cara que foi criado em Cidade de Deus, que é um subúrbio do Rio de Janeiro em Jacarepaguá. Então, ele conta como é que os bandidos chegaram na Cidade de Deus e como o tráfico tomou conta. Isso durante o período longo da vida dele.

E eu fui ficando muito impressionando de saber que eu sou brasileiro, leio jornal ,sou uma pessoa razoavelmente informada e não conhecia aquele universo sob aquele ponto de vista. A hora que eu acabai o livro, já estava todo riscado, eu fechei a página e telefonei pra ele: “preciso fazer essa história. Essa história todo mundo tem que conhecer”. O livro foi um best-seller com mais de 12 mil exemplares vendidos.

O filme interio se passa dentro da Cidade de Deus e nunca ninguém sai de lá porque é fato: os bandidos não saem mesmo, eles ficam confinados, quase guetos.

Dentro dessas comunidades, não existe a presença do Estado, não tem Correio, a polícia que pra gente é a aquela pessoa que você liga pra te defender… e a policia que na hora que entra, é ameaça. Os valores são invertidos. Cada comunidade no Rio tem um dono e é esse dono que manda. Esse dono que julga. Se você tem um problema com o seu vizinho, você não vai lavar na Justiça. Você vai falar como dono. Ele é a justiça e o Estado. Se você precisa de remédio e está sem dinheiro, o cara que te dá. É assistência social e é a polícia.

Mudou minha vida. Eu li o livro e entendi o país de outro jeito. Se a obra de arte tem o poder de transformar, o livro do Paulo cumpriu comigo porque eu realmente revi um monte de coisas. Espero que o filme transforme uns 4 pelo menos no país.”

Agosto de 2002