Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Edinho Silva, percussionista. Pandeiro, cuíca, timbau, berimbau…

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Meu nome é Edinho Silva. Nasci em Brasília e sempre estive ligado às raízes percussivas de Brasília. Ensaios de escolas de samba aqui da Asa Norte. Entrei na capoeira por causa da percussão, sou mestre de capoeira já tem mais de 20 anos. Através dos meus pais eu tive conhecimento da parte das religiões afro brasileiras. Então foi esse o primeiro contato inicial com a percussão. De ver, de gostar, de querer retornar àqueles locais para poder fazer parte daquele grupo.

A percussão abrange bastante coisa. Você tem hoje a percussão corporal, que é a percussão feita no corpo mesmo, tem a percussão vocal, que através da voz você imita sons dos instrumentos e tem a percussão que a gente conhece que toca todos os instrumentos que percute. No caso da orquestra sinfônica a gente tem os tímpanos, tem a parte de teclado, de piano. E tudo faz parte dessa família de percussão.

No caso do Brasil a gente tem esse tanto de informação na percussão dos grupos folclóricos, dos folguedos, bumba meu boi, maracatu, tambor de crioulo. Então pandeiro, cuíca, timbau, berimbau, congas, atabaque, isso tudo faz parte da percussão. São muitos instrumentos.

Mais a percussão de instrumentos que não são convencionais do Brasil, como tabla indiana. São instrumentos que vem de fora e a gente dá um jeito de aprender e já coloca na música brasileira.

Eu sou autodidata. Teve alguns instrumentos que eu tive alguma dica, como berimbau. Na parte de técnica de mão para o atabaque eu aprendi sozinho, criei uma técnica minha, escrevi um método. Pandeiro também foi um instrumento que eu não sabia nada, tive que sozinho aprender até chegar a um ponto de escrever um método de pandeiro também.

Meus instrumentos de cabeceira é a parte de mão, de atabaque, bongô, conga, timbau, berimbau e pandeiro. Mas eu toco outros instrumentos também. Estrou entre os poucos no Brasil que tocam tantos instrumentos e ensinam também. Ensinar já é diferente.

Eu estou fazendo alguns trabalhos dentro da percussão de produção de artistas, de banda, de organizar banda para os artistas. Estou com um trabalho com DJ, que a gente trabalha percussão e DJ e workshops. Estou fazendo workshops de percussão vocal, percussão corporal. Estou com um trabalho com um grupo de sapateado também. Basicamente é isso que eu estou fazendo.”

Setembro de 2005