Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Engels Espíritos, fusão de blues, jazz, rock e soul

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Essa é a banda Engels Espíritos com essa formação oficial desde 1995 e o som da banda é uma fusão de jazz, blues, rock, funk. Como é que você trabalha todos esses estilos em um som só?

“Esse é um trabalho de muitos anos de pesquisa e estudo de cada músico individualmente. Cada um estudou bastante cada linguagem justamente para obter vocabulário de sobra para poder estruturar essa fusão, que é a cara da música do início do milênio. Então nosso trabalho está totalmente voltado para esses estilos. A banda surgiu oficialmente em 1995, mas eu já vinha fazendo esse trabalho há mais tempo, desde o início da década de 90.

É uma responsabilidade muito grande tocar esse tipo de música porque o público é exigente, é um público intelectualizado, ele está indo para ver a música acontecer, ele está indo para ver as improvisações surgirem de forma brilhante, a estrutura da harmonia, essas linguagens rítmicas. Então você tem que estar realmente imbuído de muito conhecimento dentro dessa área para poder satisfazer esse público.

A música não tem limites, não tem padrões, arquétipos estabelecidos. A música é uma coisa totalmente livre, você pode cantar em qualquer idioma. Agora, se você tem um trabalho e a coisa começa a acontecer mais fora do seu país, obviamente você vai ter que ter uma tendência a apresentar as músicas mais dentro desse idioma que pega mais aquele país. Como a gente está tocando mais esse estilo, a gente vai compor mais em inglês, até porque o trabalho está chamando muito mais atenção fora do país, no Canadá, nos Estados Unidos. Em setembro a gente está indo para um festival europeu. Vai tocar na Finlândia, Noruega e Suécia. Então a gente não pode chegar lá cantando em português porque o inglês felizmente ou infelizmente é a língua mais falada no mundo.

Eu acredito que a música aqui em Brasília se desenvolve de uma forma fantástica, com muitos instrumentistas, com muitas bandas porque os adolescentes aqui não tem opção de diversão. Brasília não é uma cidade litorânea. Então a diversão do adolescente aqui é pegar um instrumento musical, estudar música, começar a pintar, a atuar dentro do teatro. A nossa diversão é a cultura. A nossa bandeira é a cultura. Por isso tem saído músicos fantásticos, bandas maravilhosas.

Eu estou desenvolvendo esse trabalho com gaitas harmônicas e com uma banda dentro desse estilo desde o início da década de 90. Muitas pessoas perguntam “porque você não tem um CD ainda?”. É muito importante os músicos e as pessoas entenderem que o CD é um registro para a vida inteira. E quando você desenvolve uma linguagem de música instrumental, uma linguagem tão rica e tão profunda, de raiz, como blues, como jazz, como funk, o rock, você precisa ter elementos, você precisa ter estudado bastante para poder interpretar esses estilos e colocar a sua criação individual, de cada músico. Então você precisa, primeiro, criar uma estrutura, ter uma linguagem, vocabulário, para poder tocar, interpretar e criar, compor, ter um CD.”

Março de 2000