Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Entrevista com os medalhistas olímpicos de vela, Torben Grael e Marcelo Ferreira

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Eduardo Chauvet: É realmente com muito prazer que a gente conversa agora com Torben Grael, Marcelo Ferreira, medalhistas olímpicos, trouxeram o ouro pro Brasil nas últimas olimpíadas. Realmente uma emoção muito grande numa olimpíada você poder levantar a bandeira brasileira com gosto e trazer a medalha pra casa?

Torben Grael, Ouro em Atenas: Bom, levantar a bandeira brasileira com gosto no topo do pódio realmente é uma coisa fantástica. Esses jogos olímpicos foram realmente especiais pra nós. Eu sou o maior medalhista brasileiro e o maior em número de medalhas da vela em geral. Tenho 5 medalhas em 6 participações nos jogos. São 2 de ouro, 1 de prata e 2 de bronze.

Eduardo: Agora, requer bastante experiência. Você chegar num nível tal que não te deixe apreensivo, com frio na barriga ou isso acontece mesmo depois de muitos anos?

Marcelo Ferreira, Ouro em Atenas: Apreensivo você fica sempre. Ainda mais olimpiada. Quando você fala de olimpíada pesa um pouco né, na cabeça das pessoas. Essa olimpíada a gente tava bastante tranquilo. O Torben tava na 6ª olimpíada, eu tava indo pra 4ª olimpíada, então essa experiência, sem dúvida nenhuma, te dá uma maior tranquilidade e muita calma pra velejar, ainda mais nas condições de Atenas.

Eduardo: Os esportes náuticos brasileiros como um todo sempre se destacam bastante. Devido a que fator você acredita que a gente sempre consiga se sair tão bem em competições internacionais?

Torbem: Primeiro, eu diria a estrutura brasileira de clubes que é muito boa. Outro fator, são as condições climáticas e geográficas do Brasil pra prática da vela, que são excelentes. A gente pode praticar o ano todo em condições realmente maravilhosas pra se velejar aqui. A olimpíada não se resume aos 15 dias, 10 dias que você está lá competindo. É toda uma preparação, escolha de equipamento, treinamentos e eventos no exterior, testes de velocidade. É muita coisa envolvida. E isso, tem um custo. Então sem o apoio dos patrocinadores a gente não teria chegado onde chegou.

Setembro de 2004