Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Festival de Brasília do Cinema Brasileiro com o público e José de Abreu

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Paulo Vieira, consultor cultural:
Eu tenho o hábito pelo menos há uns 5, 6 anos de frequentar o Festival de Brasília. Acho que é sempre uma oportunidade de a gente se reciclar, principalmente aprender sobre a realidade brasileira e ver o que é feito nessa área que é uma área que tem passado e superado muitas dificuldades, principalmente para produzir os filmes.

Marcelo Barreto, estudante:
Eu gostei muito de Hans Staden. Demonstrou muito bem a realidade.

Carolina Ferreira, estudante:
Eu não gostei muito do Hans Staden porque eu acho que eles fizeram uma visão do índio muito como se eles fossem da nossa cultura. A única coisa que eles tinham de índio é que eles se vestiam como índio, mas o pensamento, a maneira como eles falavam, como eles tratavam as situações… era como se eles fossem da nossa cultura

Mauro Barretos:
Ano passado a galera entrava aqui numa boa. Agora tem esse negócio de cobrar.

Verônica Peixoto, produtora de elenco:
Foi um dos melhores festivais que teve. Agora realmente deu uma limpada. Não é mais aquela bagunça. Não sei se é porque cobrou ingresso, deu uma limpada. As pessoas só vêm mesmo porque elas estão a fim.

Andréa Melo:
Eu gosto do festival, mas eu gostava do festival anterior, que acontecia mais circulação cultural, você não tinha que pagar para entrar.

Marcius Barbieri, músico:
Eu gostei muito de “Por trás do pano” por ele trazer o axioma de você sempre arranhar o coração, ir atrás, sempre buscar uma novidade, sempre um crescimento.

José de Abreu, ator:
Genial, muito bom. Conheci ontem o diretor. Uma fotografia do Walter Carvalho majestosa, um posicionamento de câmera, coisas louquíssimas que você não sabe como ele conseguiu. Agora fiquei sabendo que tem câmera amarrada em corda e coisas desse tipo. É um filme extremamente brasileiro, impactante, revolucionário. Estou impressionado. Texas para mim é o grande vencedor dos curtas.

Eu gosto muito daqui (de Brasília). Eu venho muito para cá, tenho muitos amigos aqui. Às vezes me dá vontade de me mudar para cá. Um apartamentinho no Sudoeste (risos).

Eu acho que Brasília é o melhor festival do Brasil. Tanto no sentido de mostrar filme como no sentido ‘festa de festival mesmo’. O público comparece, aqui está sempre cheio, o hotel está sempre cheio. Eu acho que isso é super importante no festival de cinema, esse lado festa.”

Dezembro de 1999