Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Festival Recreativo Especial, superando limitações

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Eduardo Chauvet: Sejam bem-vindos ao Centro de Ensino Especial 02 de Ceilândia. Nós temos uma bela história pra contar pra vocês agora. História essa de esporte, lazer, superação e diversidade. Vem com a gente.

Esta é a sétima edição do Festival Recreativo Especial que começou aqui na Ceilândia e já está se expandindo pelo DF. A ideia aqui é a participação de todos sem distinção, sem discriminação.

“Hoje nós estamos com 6 escolas em prol desse evento. São 5 centros mais uma ONG. Todos os nossos professores envolvidos nesse trabalho em busca sempre dessa alegria mesmo do nosso aluno.”

“Eu faço tapete, eu faço papel, eu faço um tantão de coisa. Jogo pingue pongue, queimada…”

Temos 10 pólos. Futebol, queimada, atividade adaptada de basquete, de futebol, corridas assistidas, jogos de dama, dominó, camas elásticas, todas as brincadeiras… Nós sabemos das dificuldades, das limitações dos nossos alunos. E o nosso trabalho é justamente esse.

A relação que acontece entre eles nesse momento de intercâmbio é super rica. Eles se valorizam mais, mostram que são super receptivos às atividades que a gente propõe. Nós temos famílias que sempre acompanham. Até na abertura ontem você via os familiares desfilando com seus filhos.

Há muito tempo nós estamos aqui. E essa festa maravilhosa pra atender nossos filhos e outras pessoas que necessitam.

Você vê que eles ficam muito felizes com essas atividades que estão acontecendo pra eles.

Eduardo: Você gosta aqui da escola?

“Gosto. Aqui é bom. Eu gosto daqui, não quero sair não.”

É a superação, é trabalhar com o nosso aluno para que ele desenvolva.

Meu filho melhorou muito aqui, o desenvolvimento dele.

Ele participando das atividades, nós verificamos o desenvolvimento que ele está tendo. Então isso é motivo de muita alegria.

Eu me arrepio porque é uma coisa tão gratificante. O retorno que a gente tem, não tem como mensurar.

Eu gosto sim. Eu gosto muito.

Eu acho que se a gente trabalhar para esses meninos de coração aberto o retorno é imensurável.

Dezembro de 2010