Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

G7 Cia de Comédia e O Servo Nu e a Desconstrução do Tempo Psicológico

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“O grupo tem três anos de existência. Já fizemos dez peças, inclusive O Servo é a décima peça que estamos fazendo. Todas inspiradas no cotidiano de Brasília, então para quem mora em Brasília é muito legal ver uma peça nossa porque a diversão é garantida.

O Servo Nu e a Desconstrução do Tempo Psicológico é a nova comédia do G7. E é uma peça muito legal que fala sobre o tempo. A ideia de tempo que você tem na cabeça é diferente do normal que a gente apresenta na peça. A gente desconstrói a sua categoria de tempo e coloca outro tempo na sua cabeça. A peça é uma mistura de loucura, teatro e risadas. A interação com o público acontece a todo momento.

Você que vai assistir a nossa peça, vá com medo porque a gente vai brincar com você, vai puxar você da plateia. Você quem sabe pode parar no covil do amor de um centauro enfurecido. A gente vai assustar vocês também. Mas a gente garante que, sobretudo, a barriga de vocês vai doer de tanto rir. É muito divertido.

A peça está muito engraçada, muito legal. Para quem realmente gosta de comédia, está interessado em assistir alguma coisa de boa qualidade, diferente, produção aqui de Brasília, não perca você vai adorar.

A gente foi convidado para participar de um festival que foi há três semanas lá em Recife. Nós somos a única companhia de Brasília convidada para esse festival. Foi muito bacana, representamos Brasília lá com muita honra. Um festival nacional sobre teatro. Isso prova que Brasília está cada vez se destacando mais no teatro, na cultura local e do país também, porque Brasília está abrindo cada vez mais, o público está indo mais as peças de teatro, as pessoas estão gostando mais e isso dá um incentivo muito bom pra gente. Então você tem que prestigiar, ir para o teatro. Se não for uma peça nossa, qualquer outra peça, mas vá de preferência numa peça nossa.”

Setembro de 2004