Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Henfil do Brasil, cartunista, chargista, questionador, pensador, ativista

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Henfil foi um artista brasileiro, um cartunista de Minas, já falecido desde 1988 e foi, além de um brilhante cartunista, um ativista político, um pensador, um intelectual que fez muito pelo Brasil. Foi um defensor muito ferrenho da democracia e da liberdade de expressão.

Essa exposição são mais de 500 trabalhos que foram escolhidos de um total de 15.000 originais. Foi um trabalho de pesquisa que levou mais de 4 meses para ser feito. E o resultado que está aqui não pretende ser um resumo do trabalho do Henfil, é apenas uma amostra do brilhantismo dele como artista, como cartunista e também como questionador do seu tempo.

A exposição é composta dos trabalhos do Henfil com cartuns e charges. A gente pode ver aqui a diferença desses dois termos que são muito parecidos e confundidos. Cartum vem da palavra em inglês que significa um desenho humorístico feito sobre papel e que narra um fato em sequência. A charge é uma palavra francesa que significa carga e ela exagera o caráter de uma pessoa, tudo isso com humor. Os dois são destinados ao jornal e pretendem, além de fazer graça, questionar comportamentos e ações humanas.

Os trabalhos foram selecionados sob dois aspectos. Primeiro, pela excelência do desenho. A gente vê que são trabalhos de muita qualidade feitos com traço impressionantemente ágil e preciso. E segundo pelo humor contestador. Em todas as tiras, em todos os cartuns, você percebe que o Henfil fazia de uma maneira que não tinha o menor pudor, o menor medo de falar sobre as facetas mais obscuras do comportamento humano.

Henfil dizia que quando ele fazia um desenho ele não pretendia fazer com que as pessoas rissem. O que ele queria era tirar o escuro das coisas. Ele queria abrir o que estava encoberto, ele queria questionar sobre os acontecimentos. Esses trabalhos foram feitos em um momento muito difícil da realidade brasileira. A maioria deles feitos no período da ditadura, do regime militar. E esses trabalhos, esses personagens, são porta-vozes dos problemas do povo brasileiro.”

Setembro de 2005