Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Intrépida Trupe em Sonhos de Einstein, a engenharia circense e a acrobacia aérea

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“A gente se inspirou em um livro que um cientista norte-americano escreveu que fala de uma época quando Einstein era bem jovem e estava pensando sobre a teoria da relatividade e ele pensava muito sobre o tempo, essa questão do tempo ser fixo, imutável. Ele questionou isso e começou a questionar várias possibilidades de variação do tempo.

Tem um filósofo que fala que a ciência existe porque existe o sonho. Para o Einstein poder criar essa teoria dele ele deve ter sonhado muito, deve ter imaginado muita coisa.

A gente fala de física, do universo da física é um pouco o que está por trás da nossa vida, do dia a dia. A gente não fica pensando em física quando a gente mergulha numa piscina ou quando você entra no elevador.

A Intrépida se especializou em efeitos especiais aéreos. A gente fica lutando contra a lei da gravidade. Um dia uma pessoa falou “vocês são aqueles que Deus não deu asas e vocês não se conformam”. A gente criou uma técnica bastante complicada que a gente chama de engenharia circense e que cria efeitos com roldanas, cordas. Cria aparelhos especialmente para isso.

O espetáculo não é nada didático, não é uma história com começo meio e fim. É um espetáculo poético. Ele faz com que as pessoas embarquem em uma viagem como se elas estivessem sendo tele transportadas para esse universo onde as coisas acontecem, a física, as imagens.

O maior desafio primeiro é a gente buscar um aprimoramento técnico que a gente consiga fazer todas essas coisas como se fosse fácil. E o outro desafio é a busca de ter algum conteúdo por trás dessas técnicas, desses movimentos. O que a gente está querendo dizer com essa acrobacia aérea, com esses aparelhos? Então no caso a gente está falando sobre física, que é uma coisa muito maravilhosa.”

Setembro de 2005