Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Léo Jaime fala dos seus 20 e tantos anos de estrada em 2003

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Léo Jaime: São 20 e tantos anos de história. Eu morava em Brasília, fazia uma peça aqui chamada ‘Saltimbancos’. Fazendo uma excursão pelo Brasil a gente acabou parando no Rio. Já tocava em bandas e tudo, compondo. Até que eu comecei a fazer shows e acabei recebendo convite pra gravar. Mas antes disso eu já tinha feito algumas músicas que o Ney Matogrosso tinha gravado, a Marina… E o meu sucesso como compositor fez com que eu fosse convidado a gravar.

Eu tive alguns trabalhos que foram realizações pra mim. Por exemplo, quando o Eduardo Dussek fez sucesso com ‘Rock da Cachorra’, como compositor, eu me senti realizado. Como jornalista, ter entrevistado o Roberto Carlos e feito a maior entrevista da vida dele, foi uma grande vitória também. Como cantor gravar uma música com Chico Buarque pro especial de fim de ano que ele fez em ’94, se eu não me engano, pra TV Bandeirantes, pra mim foi um ponto alto.

Eu diria que como ator, fazer um musical durante 1 ano com a Marília Pêra, protagonizando junto com ela, sendo o partner dela em ‘Vítor ou Vitória’ foi também a realização de um sonho como ator. Eu não consigo imaginar nada que possa ser maior do que isso.

Então de certa forma eu sou um homem bastante realizado ainda que não tenha tanto reconhecimento, ou prêmios, ou fortuna. Eu sou um homem que pode se dizer realizado. Eu sou um homem que se comove com uma certa facilidade. Sobretudo eu sou muito positivo, muito otimista e gosto muito de alegria e de prazer. E eu gosto muito de sentir que eu trabalho pra isso, que eu produzo isso. Quando eu saía da peça, por exemplo e via que tinha 1200 pessoas que tinham saído com um sorriso no rosto, sentir que eu tinha participado da produção daquele sorriso… fazia com que eu me sentisse uma espécie de guerrilheiro lutando contra o baixo-astral, lutando contra a infelicidade, lutando contra o lado obscuro da vida.

Eu acho que isso é o que me comove, o trabalho de operário da alegria.

Dezembro de 2003