Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Moraes Moreira e Davi Moraes, pai e filho no mesmo palco

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Moraes Moreira: Uma história que começa desde que Davi era pequeno. Aos 3 anos de idade ele já deu sinal de que tinha aptidão para música e tal. Lá em casa a gente vivia um ambiente muito musical, muitos músicos. A gente sempre se reunia para tocar, compor, trocar ideias. O Davi estava sempre ali pelo meio, vendo os instrumentos, curioso. Começou ali a paixão dele pela música. Já aos 6 anos de idade ele participava dos meus shows.

Davi: Estou muito feliz de a gente estar voltando a fazer esse show, já estava com saudades desse show que a gente faz só com o bandolim e dois violões. A gente pode também tocar o choro. Eu comecei com o choro, tive essa alegria de começar com o cavaquinho.

Moraes: A gente aqui faz uma troca de juventude com experiência. Mistura gerações, as informações. E já está vindo aí a outra geração. Já está vindo o sobrinho do Davi, o meu neto, que é o Noé. A gente dedicou para ele uma das músicas inéditas que a gente toca nesse show, uma parceria nossa, chama-se “Um chorinho para Noé”. Há um ano e pouco atrás eu lancei um disco chamado “Meu nome é Brasil”, um disco bem intimista, gravei outros autores. Agora resolvemos fazer essa reunião, eu e Davi, estamos fazendo Clube do Choro. Mas depois cada um pega a sua estrada. Inclusive Davi, que está com seu disco novo.

Davi: É um disco que eu gravei todo em Salvador no estúdio do meu parceiro e amigo Carlinhos Brown. Teve a participação do próprio Brown, do meu irmão de geração Moreno Veloso.

Moraes: Eu estou com um projeto novo que está praticamente pronto para lançar depois do carnaval. É um disco que se chama “Moraes Moreira De Repente”, é um disco que tem um formato todo baseado no repente nordestino, que é o hip hop brasileiro. É um disco diferente, todo inédito e eu estou com muita expectativa para mostrar para o meu público uma coisa totalmente nova.

A música é quase uma terapia porque quando eu estou com um problema na cabeça e aquele problema vira música significa que já foi resolvido.”

Dezembro de 2004