Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

NuLimit, uma das bandas precursoras do Festival Porão do Rock

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Nu Limit começou em 1996. O disco que a gente gravou ganhou um prêmio. Tudo que a gente participou, funcionou. A gente participou do “Temporadas Populares”, fomos considerados banda revelação do Temporadas Populares, melhor apresentação. Quando a gente foi pro “Porão do Rock”, nós fomos banda fundadora do Porão do Rock, nós ajudamos a fundar o Porão do Rock. E, em 1999, o Globo deu a gente como revelação do festival.

Nossa proposta é trabalho autoral. A gente procura botar identidade, personalidade, originalidade no que a gente faz. Dia 7 e dia 8 vamos ter o Porão do Rock, a quarta edição do Porão do Rock, que a gente espera que seja o mesmo sucesso que foi ano passado.

Nu Limit não tocou no Porão do ano passado, mas ele foi fundador, já tocou no primeiro e no segundo, 98 e 99. Está indo para a terceira participação.
O festival hoje é considerado o maior festival alternativo do Brasil.
Ano passado que foi o estouro do Porão do Rock.
O principal motivo do festival é a música de Brasília, é promover a música de Brasília.

O Porão do Rock é da ONG, a gente montou uma ONG dos músicos, que é representada pelas bandas que tocaram no primeiro Porão do Rock. São músicos que representam mais de duas produtoras. Montamos a ONG e a ONG é detentora da marca Porão do Rock. A gente está pensando em criar uma sociedade arrecadadora de direitos autorais, através da ONG. A gente está pensando em criar uma rádio comunitária através da ONG. A gente está pensando em buscar financiamentos no exterior para compra de equipamentos e para fomentar a cena de Brasília de um modo geral.

Brasília tem muito músico, mas falta produtor, falta técnico de som, técnico de gravação, então a gente está pensando em promover cursos, trazer gente de fora para dar workshop, essa é a nossa intenção. A gente recebeu esse ano, por exemplo, 300 inscrições para o festival. E só isso mostra o envolvimento de Brasília, e até do Brasil, porque tem mais de 100 trabalhos de fora, com esse movimento que começou aqui no porão.”

Junho de 2001