Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O ‘burburinho’ do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro na edição de 2001

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Carlinho: Nem só de cinema vive o festival, galera!
Jorge Dupan: Esse é o meu 13º festival de cinema que eu venho, cada dia caracterizando um personagem, um inseto.
Eduardo Chauvet: Hoje você tá de que? De inseto?
Jorge Dupan: É um inseto que eu achava que era uma barata, mas já falaram que é até um caranguejo que eu estou parecendo, então… está aí pra criatividade das pessoas também.
Carlinho: E aqui a gente tá com o som do cerrado, vendendo CDs do pessoal, dando essa força pra cultura de Brasília.
Erica Petrovick: É um momento muito importante pra Brasília, um dos principais festivais que tem.
Paula Souza: Eu vim de João Pinheiro, de Minas, e vim ver o festival porque eu gosto do festival. Saí de lá pra vir ver.
Sérgio Raposo: A maior festa da cidade porque reúne as pessoas interessadas que gostam de cinema e outras pessoas que só querem ver pessoas também, vem pra cá.
Paula Souza: Maravilhoso! Perfeito!
Fernando Adolfo: É um festival tradicional. É o primeiro festival do país e é um festival que tem essa repercussão, esse público. Nós estamos exatamente em Brasília, reconhecida não só nacionalmente mas internacionalmente, é uma das referências que o público de Brasília aguarda a cada ano, o ano inteiro, por essa grande movimentação do cinema brasileiro.
Eduardo Conde: É um festival que não maquia a sua cara, que mostra o cinema e mostra pra essa plateia exatamente o que é. O Festival de Brasília não é um festival de badalação, é um festival que vai fazer você pensar e repensar a cultura nesse país.
William Alves: É o festival mais legal que tem no Brasil, não tem outro festival igual a esse aqui. Aqui é o seguinte, se a galera gosta do filme eles jogam o filme lá pra cima, batem palma no meio do filme. Agora, se eles não gostam, eles pegam e vaiam muito mesmo. O cinema brasileiro tá em alta. Curtas super legais sendo produzidos, em 16mm, em 35mm, longas belíssimos… e Lavoura Arcaica, cara, é demais!

Dezembro de 2001