Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

O projeto ‘Concerto para Crianças’ de teatro

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Esse é o projeto ‘Concerto para Crianças’ que nós fizemos para levar a criança para o teatro para assistir, ouvir música clássica, que é uma coisa que não tem acontecido mais. A gente usa teatro, que é cena, junto com a música para eles se aproximarem um pouco, para eles entenderem a música clássica. A gente fala sobre o som, as propriedades de leitura de música. A gente fala sobre as dinâmicas, que são o forte e o piano. Debate com a criança, inclusive, os tipos de instrumentos de percussão, cordas e sopro, para informar mesmo, mas de uma forma bem informal, bem descontraída, que as crianças participam. E tem um momento também que a gente puxa as crianças da plateia para o palco para elas brincarem de ser artistas também e para exercitarem a imaginação, que é uma coisa que a gente prega muito nesse Concerto para Crianças no caso do Beethoven.

Na hora que eu começo a tocar, elas fazem silêncio. E eles fazem como se fosse cinema mudo. Agora, lógico que elas dão gargalhadas porque tem muitas cenas cômicas, mas isso não tem problema nenhum. A ideia é cativar. O Beethoven aprendeu piano mas também aprendeu violino com o pai que trabalhava na corte. Ele descobriu logo cedo o talento do filho. Beethoven tinha essa certeza que ele era um gênio. E isso foi fantástico porque ele produziu muita música.

A ideia surgiu porque a gente sabe que o desenho animado dos filmes para crianças usam a música erudita para compor a cena. Então a gente fez ao contrário. O nosso objetivo principal é a música. E a cena veio compor a música. A nossa proposta é realmente apresentar para as escolas. A gente entrega no final de cada espetáculo um folder onde tem o programa do espetáculo e um material educativo em que a criança pode brincar com aquilo. Ela faz alguns jogos e algumas brincadeiras que a gente já trabalhou no espetáculo.

Dezembro de 2006