Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Os atores Ribamar Araújo e Similião Aurélio na Feira Central da Ceilândia parte 2

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Ribamar Araújo: A gente vai saber aqui do que essa nossa amiga está se alimentando. Porque elas está comendo com tanto gosto! Vamos lá.
Qual o seu nome?

Quantos anos você tem?

Você mora aqui?
Moro.
O que que você tá comendo?
Buchada.
Buchada de quê?
Sei lá. Buchada de bode.
Dentro da buchada tem o quê?
Tem um monte de coisa, não sei não. Tem muito tempo que eu não comia, agora tô comendo.
Muito tempo? Você nasceu onde?
Pernambuco.
Ah, por isso! Tu come o que? O que você gosta de comer aqui?
Galinha.
Come gostoso?
Como.
Delícia?
Delícia.
Cremoso?
Cremoso.
A gente vai no Aurélio, do Similião Aurélio, que agora ele vai comer. Ele vai experimentar o mocotó

Similião Aurélio: Eu estou à espera do meu prato e ela falou que a especialidade da casa é o mocotó. Prefiro não saber o que é o mocotó pra não levar o meu preconceito pro prato. Eu vou comer na tranquilidade da inocência.

Ribamar: Você tá preparado, né? Então tá. Vamos ver o mocotó.

Similião: Senhoras e senhores, nós temos no meu prato mocotó, dobradinha, cabeça de bode, linguiça, galinha caipira, sarapatel, buchada, cabrito ao molho e rabada. Ou seja, qualquer ressaca será curada agora. O nordeste está totalmente representado nesse prato. Eu acho que a pimenta vai ser um exagero no prato, então não vou colocar pimenta.

Ribamar: Não, você vai comer o mocotó, você não vai comer linguiça não, pode colocar mocotó. Aqui ó.

Similião: O problema é que eu sou vegetariano, por isso que eu tô com essa palhaçada pra comer.

Ribamar: Tá gostoso? Lembra de gelatina quando criança, lembra o mocotó do copinho? É feito disso.

Similião: O problema não é que não é gostoso, é que eu não gosto de comida assim.

Ribamar. Come. 32 mastigadas.

Similião: Eu não consigo dar uma mastigada, mas é bom. Eu que não gosto.

RIbamar: Tá na bochecha, tá igual o Quico.

Similião: Mas é bom mesmo.

Ribamar: É bem bizarro, né? Mas é gostoso.

Similião: Quando você vence o preconceito da cara da comida ela fica excelente. Muito bom, pior que eu gostei. Depois que eu engoli, muito boa.

Ribamar: O cinegrafista Pablo está aqui caindo de boca na comida nordestina. Na buchada, na carne de sol, tá bom?

Pablo: Ô!

Ribamar: Ele está emocionado, ô Similião. Tá com fome. Na verdade tá todo mundo aqui desesperado de fome, mas a gente tá aqui fazendo esse programa gostoso.

Similião: Eu imagino quem tá em casa desesperado e que adora dobradinha, cabeça de bode e não tá aqui comendo. E eu que não gosto, vim comer. Olha aí que besteira. Sai de casa e vem aqui na feira da Ceilândia comer então. Para de sofrer.

RIbamar Araújo: Vem, vem comer. Eu vou experimentar. Filma bem isso aqui… É bom. Isso que eu comi é que?

Similião: Sarapatel.

Ribamar: Obrigado.

Julho de 2005