Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Terça Insana, humor com sucesso de público e crítica

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“A Terça Insana começou com a proposta de abrir o palco para que atores que também fossem autores pudessem experimentar as suas ideias de humor. Eu tive essa ideia porque eu estava achando tudo muito chato. Eu não estava rindo de nada, estava tudo muito careta, tudo muito antigo, muito velho. E eu pensei “não é possível que não tenha ninguém criando nada de novo”.

Então eu resolvi abrir esse espaço, chamei três amigos, que eu achava que poderiam me ajudar nessa empreitada de segurar um show diferente por semana, todo novo. E aí começamos esse projeto em novembro de 2001, sempre às terças feiras, porque é o dia de folga dos atores. Porque era um projeto voltado para os próprios atores, só que um ator trouxe um amigo, que trouxe outro.

De repente começou a ter muito público. O público descobriu antes da imprensa e a coisa estourou de uma maneira que a gente teve que mudar para um lugar maior. Hoje, em São Paulo, a gente continua em cartaz todas as terças feiras numa casa de 600 lugares que lota toda semana. E toda semana a gente cria um show novo em cima de temas.

Eu acho que a grande coisa do humor é pegar uma pessoa, tirar do seu contexto e botar em outro. Então aqui a gente tem liberdade de viajar pela história, com conceitos que estão institucionalizados. E sempre buscando trazer novas informações e outras coisas parar rir.

O que a gente tenta fazer, é pensar. Sempre, atrás do que a gente está fazendo, pensar um pouco na sociedade que a gente está inserido também como uma forma de reflexão. Acho que por isso esse sucesso que cada vez aumenta mais. Porque eu acho que o público está de saco cheio de ver o óbvio. A coisa mais legal é que para vir ao teatro, as pessoas escolhem vir, escolhem sair das suas casas, vem até aqui. A gente tem que dar o melhor que a gente pode. A gente faz humor com responsabilidade e com respeito.”

Junho de 2005