Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Toquinho, de Chico Buarque e Baden Powell a Vinícius de Moraes

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Logo que eu resolvi aprender violão, eu procurei Paulinho Nogueira que já era um grande mestre.
Depois tive várias influencias desde Oscar Cássio Neves grande maestro, Luis Gonzaga, João Gilberto, Antônio Carlos Jobim, Carlos Lyra, Alberto Menescal, Baden Powell. O próprio Vinicius de Moraes. Tanto é que a música que eu faço é uma. Eu acho que é uma mistura da música pós-bossa nova com o samba tradicional.

Eu me interessei por música mesmo pra tocar violão.

A bossa nova tava começando a emergir já e comecei a me interessar por música pra saber o que era isso, cultura brasileira, os compositores brasileiros.

Eu conheci o Chico com uns 14 anos mais ou menos, 13 ou 14 anos eu acho. E ficamos muito amigos, o Chico já compunha bem, o Chico sempre compôs bem. O Chico cooperou com muita informação pra mim em termos de música brasileira realmente. A companhia dele me fez começar a compor.

O Jorge Bem Jor já veio depois.
Em 1968 eu fiz que Que Maravilha com Jorge Bem Jor.
Uma canção que já tem 33 anos, foi um sucesso muito grande, foi o primeiro sucesso de música foi Que Maravilha e Carolina Carol Bela e uma outra música que eu também fiz com ele.

Depois comecei a trabalhar com Vinicius, já tava com uma carreira profissional já bem alicerçada e trabalhei 10 anos com ele e me formei mais como profissional, fiquei mais seguro como artista. E quando o Vinicius faleceu, eu já tava trabalhando sozinho junto com o Francis Hime. Parece que o Vinicius falou: “agora você já pode levantar voo sozinho, vai. Eu vou embora”… mais ou menos assim. As coisas foram acontecendo o sucesso, e tal e foi uma continuação absolutamente natural, como eu comecei na vida do Vinicius, saí dela. Ou melhor, o Vinicius saiu da minha vida e parece que ele me deixou esse legado e me deixou uma estrutura já como ser humano e como compositor já para caminhar sozinho felizmente.

A música pra mim é uma continuação natural da minha vida. Minha companheira, minha namorada. A música é um pouco tudo. A música pra mim realmente é uma coisa que eu vou dever muito a ela sempre e eu não sei nem seu eu estou pagando isso pra ela.

Eu queira agradecer o carinho do pessoal que sempre tem um carinho muito grande comigo aqui e mandar um abraço especial para todos vocês que estão me ouvindo e me vendo. Abraço a gente se vê depois.”

Outubro de 2001