Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Um pouco da história da karateca Fernanda Monturil, heptacampeã brasileira

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

Fernanda Monturil: O karatê não é só esporte. Ele também é arte marcial. Karatê significa mãos vazias. Karatê-do, o caminho das mãos vazias.

Eu acho que hoje o atleta de karatê, de arte marcial, não pode esquecer que a arte marcial é isso, é arte da guerra. Marciano é o guerreiro. Esse grito é um grito de guerra e é um grito de recuperar as energias também.

Eu comecei aos 24 anos, já adulta, depois do desaparecimento do meu pai. Com essa tragédia que aconteceu, busquei uma arte marcial para poder vencer essas dificuldades que estavam acontecendo na minha vida.

Eu sempre acreditei. Tem uma frase do Lars Grael que eu tenho guardado com muito carinho: “não existe oceano maior que a determinação humana”.

Quando eu subi ao pódio e continuo subindo, a gente sente uma satisfação, um estado de euforia que é difícil de explicar. E esse momento me fazia esquecer qualquer dor. E isso fez com que eu continuasse buscando essas conquistas.

Como o esporte me ajudou, eu quero ajudar o futuro do país: não a virarem atletas, esse não é o meu foco. O meu foco está em formar indivíduos e eu acho que aí a arte marcial entra como uma coisa maior do que o esporte. Disciplinando, ajudando na formação de caráter, essas outras coisas que complementam. Porque o esporte por si só não forma ninguém.

Eu quero ver ainda a nossa modalidade no lugar mais alto no pódio de uma olimpíada.

Outubro de 2005