Oops! It appears that you have disabled your Javascript. In order for you to see this page as it is meant to appear, we ask that you please re-enable your Javascript!

Zé Ramalho fala da sua história de vida e musical

profile

Memórias do Brasil

Descrição:

“Essa percepção que as pessoas têm de quando estão escutando os meus discos ou os meus shows… eu acho que é muito da dedicação que eu faço com o meu trabalho já há tantos anos. O carinho que você deposita na musicalidade é uma coisa que eu trago lá dos anos 60 dos anos 70 onde eu executei música de todo mundo. Eu era músico de baile e naqueles grupos que tocavam essas bandas que tocavam bailes enormes de 2 ou 4 horas assim de música que tava tocando sucesso. Isso na época que eu garoto, era guitarrista de baile.

E me deixou uma riqueza muito grande de lembrar desse tempo assim. As coisas eu pratiquei que me deixaram uma musicalidade muito rica de tocar música de todo mundo a partir do momento que eu peguei o meu filão de compositor e comecei a desenvolver. Isso me serviu muito até chegar nessa coisa dos arranjos que vem daí essa musicalidade e o carinho que eu deposito em cada disco em cada gravação.

Esse projeto “Estação Brasil” era um projeto que eu tinha já amadurecendo há algum tempo. Cantar música de outras pessoas que vem desse tempo que eu estava falando e minha gravadora BMG assinou com um cartão verde para eu realizar esse trabalho a partir do momento que eu estava aos poucos trilhando um caminho para chegar a eles. Zé Ramalho interpretando músicas de outros autores. A mídia ,a gravadora meus fãs, enfim, receberem isso de uma maneira natural. Eu fui preparando isso aos pouquinhos. Em cada disco, eu tava fazendo tava cantando músicas já de Caetano, Gilberto Gil. Cantei músicas do Gonzagão, Dominguinhos enfim, reunir outras canções e realizei esse projeto “Estação Brasil” que foi meu último disco.

Nesse momento eu já tô preparando outro, já to fazendo um projeto que vai ser lançado no próximo ano e vai se chamar “Parcerias dos Viajantes”. É um disco em que eu vou estar com músicas inéditas e cada faixa vai estar com um parceiro diferente. Aí eu já tenho o Fágner, tenho Zeca Baleiro, tenho Chico César, tenho o Tony Garrido, Dominguinhos.. todos com músicas já prontas para realizar esse disco agora no inicio de 2005.

Eu agradeço a oportunidade de estar aqui realizando esse evento pra Caixa Econômica e tendo um pequeno contato com os fãs aqui de Brasília.”

Agosto de 2004